Batuco enquanto género musical

NTRODUÇÃO
Se a musica é uma expressão do povo, isso é particularmente verdade no que diz respeito à música cabo-verdiana. Nela se espelha por inteiro o povo cabo-verdiano, coma sua índole, a sua cultura, os seus costumes, a sua geografia, o seu clima, as suas limitações, as suas virtudes como os seus defeitos, a sua originalidade crioula, o seu sentimento, o seu passado, o seu presente e o seu destino.E o batuque como uma das manifestações mais antigas de cabo verde não foge a esses requisitos principalmente agora que está sendo muito divulgada, ganhando foros de música internacional. O que implica a continuação da preservação deste género musical, porque a musica é um elemento universal da cultura e com este seremos reconhecidos por onde quer que estamos.
 
Batuque como género musical
Como género musical, o batuque caracteriza-se por ter andamento moderato, um compasso de 6/8 ou 3/4, e tradicionalmente ser apenas melódico, isto é, ser apenas cantado, sem acompanhamento polfónico, comparado com os outros géneros musicais de cabo verde, o batuque estrutura-se no canto-resposta, e é o único que apresenta uma polirritimia, isto é, descobre-se que o mesmo é uma sobreposição de um ritimo de 3tempos sobre um ritmo de 2 tempos.Na sua forma tradicional, o batuque organiza-se como se fosse um crescendo orquestral. Tem dois movimentos. Antigamente, a peça musical começava com uma introdução na cimboa, que fornecia a linha melódica base. Hoje em dia, o uso deste instrumento está praticamente extinto. O primeiro movimento é chamado, em crioulo,de galion.

 

Neste  movimento,  uma  das  executantes  (batucadeiras),  efectua  um batimento polirrítimico, enquanto que as restantes executantes efectuam um batimento de dois tempos, batendo palmas ou batendo num pano. A cantora solista (cantadeira profeta ) entoa uma melopeia que logo a seguir é repetida (ronca baxon) em uníssono pelas  restantes  cantoras  (cantadeiras  de  campanha).  Esses  versos,  provérbios improvisados, que abordam temas diversos do quotidiano desde o louvar a certas personalidades até criticas sociais, são chamados finaçon.
Esta estrutura de canto resposta contínua até o segundo movimento.O segundo movimento é chamado de txabeta.
Este movimento corresponde aum clímax orquestral, em que todas as executantes efectuam o mesmo batimento polirritmico em uníssono, e todas as cantoras cantam o mesmo verso em uníssono, que funciona como refrão.Modernamente, o batuque tem sido composto de outra forma por compositores recentes. A música apoia-se num suporte polifónico (sequencia de acordes), e apresenta uma estrutura similar aos outros géneros musicais de cabo verde,em que as estrofes musicais vão alterando com um refrão.1
 
Batuco como dança tradicional
Como dança o batuque tradicional desenrola-se segundo um ritual preciso.Numa sessão do batuque, um conjunto de intérpretes (quase sempre unicamente mulheres) organizam-se em círculo num cenário chamado terreru.
Esse cenário não tem de ser um lugar específico, pode ser um quintal de uma casa ou no exterior, numa praça pública, por exemplo. A  peça  musical  começa  com  as  executantes  (que  podem  ou  não  ser simultaneamente (batucaderas e cantaderas) desempenhando o primeiro movimento,enquanto que uma das executantes dirige-se para o interior do circulo para efectuar  a dança. Neste primeiro movimento a dança é feita apenas com o oscilar do corpo, com movimento alternado das pernas a marcar o tempo forte do ritmo.No segundo movimento, enquanto as executantes interpretam o ritmo e o canto em uníssono, a executante que esta a dançar muda a dança. Neste caso, a dança (kutornu) é feita com um requebrar das ancas, conseguido através de reflexões rápidas dos joelhos, acompanhando o ritmo. Quando a peça musical acaba, a executante que estavaa dançar retira-se, outra vem substituí-la, e inicia-se uma nova peça musical. Estas interpretações podem arrastar-se por horas.

Enquadramento histórico do batuque
O batuque é provavelmente o género musical mais antigo de cabo verde, mas só há registos escritos acerca do batuque a partir do século xix. Presentemente só se encontra na ilha de Santiago, e é no Tarrafal onde se vive com mais intensidade este género musical. Todavia, há indícios que já existiu em todas as ilhas de cabo verde. 2
 
 No entanto um autor chamado Carlos Gonçalves, afirma que o batuque não seria um género musical transposto do continente africano. Seria adaptação de alguma dança africana (qual?), que depois teria desenvolvido características próprias em cabo verde.
O batuque  sempre foi hostilizado  pela administração  portuguesa, por ser considerado “africano”, e pela igreja, mas foi durante a política do Estado novo que essa perseguição foi mais forte. O batuque chegou a ser proibido nos centros urbanos, e chegou a estar moribundo a partir dos anos 50. Depois da independência houve um interesse em fazer ressurgir certos géneros musicais. Mas é na década de 90 que o batuque teve um verdadeiro renascimento, com jovens compositores (Orlando pantera,Tcheka, Vadu, etc.)  

O significado e o objectivo do batuque
Antigamente,  o  batuque  revestia-se  de  um  significado  social.  Era desempenhados em dias santos, em certas ocasiões cerimoniais, em festas, antes e durante os casamentos. Há estudiosos que especulam os movimentos de dança de batuque evocam o acto sexual, e o objectivo seria promover a fertilidade da noiva. Hoje em dia o batuque perdeu o seu significado original. Foi transformado num espectáculo de palco, e é desempenhado em actos oficiais, em festas ou é utilizado por certos grupos para dar um exemplo do folclore de cabo verde.
A missão do batuque

O batuque tem a missão de continuar a ser um género musical que identifica a culturacabo-verdiana e por  conseguinte preservar os traços da cultura cabo-verdiana que estão preste a se perder.3

http://pt.scribd.com

publicado por festivalbatuco às 16:52 | link do post